quarta-feira, março 14, 2007

Aparências...

Ao longo da vida criamos certas ‘defesas’!
Defesas estas, contra nós mesmos.
Sem perceber, muitas vezes alimentamos as ‘aparências’ para mostrar ao outro o que no fundo não somos.
Uma fuga da realidade? Uma ‘auto-proteção’? A falta de coragem de se olhar no espelho e ver quem realmente somos? Timidez? Vergonha?

Podem existir inúmeras razões para tanta ênfase às aparências.
Quando esta é de forma sadia, ou seja, sem a intenção de enganar o outro, é tolerável. Mas quando ultrapassa o limite do próprio Ser verdadeiro, torna-se extremamente superficial.

Vivendo de aparências, não se consegue sentir e viver os bons momentos. Pois algo impede de naturalidade, de espontaneidade. Dificultando a aproximação das pessoas e assim, afastando quem está perto.
Alguns custam a entender o significado da ‘sua Verdade’, a Verdade de cada um.
Preferem se esconder atrás de palavras vãs, atrás de méritos passados, de desejos escondidos, de medos insuperáveis, de amores perdidos... medo da vida?

Cada um deve ter uma razão específica para viver de ‘aparências’. Mas, por outro lado, de que servem as Aparências?

É triste saber que por vergonha, medo ou timidez, coloca-se uma máscara para esconder o verdadeiro Eu. Ou até mesmo, o motivo poderia ser orgulho?
Falar o que não se é. Ter falsa modéstia. Querer ser mais do que não é. Um ‘megalomaníaco pessoal’, exagerando na própria imagem, e quando este chega no silêncio de sua mente, percebe que não é nada daquilo que professa aos outros.

Que tristeza um ser humano perder tanto tempo com atitudes errôneas e fantasiosas sobre si mesmo.

Sem falar nos que não conseguem dar um abraço carinhoso verdadeiro, sincero, ou receber o mesmo com gratidão, com o coração aberto. Por quê? Talvez por estarem envoltos por desconfianças extremas a respeito do outro.
Não conseguem se soltar, sentir o calor humano do outro. Apenas ‘deixar ser’. Porque é tão difícil na atualidade um gesto sincero de carinho?
Por que é tão complicado para alguém aceitar um beijo ou um abraço sem maldade? Sem desconfianças? Sem cobranças ou exigências futuras?
Por que a freqüência de discussões, brigas, separações de amigos, companheiros, sem prováveis motivos?

A questão é:
Será que vale a pena tentar ser o que não é?
Será que vale a pena ficar desconfiando de cada gesto de carinho do outro?
Será que vale a pena fugir de si mesmo a vida inteira?

Se tiver fantasmas do passado que assombram você, espante-os.
Se tiver saudade de um passado remoto e esta lhe consumir a alma, mate-a.
Se tiver uma timidez extrema, supere!

Não tenha medo da Vida, pois ela não tem medo de você. E mesmo que você sentir algum tipo de medo, saiba que é uma prova de que você está vivo! Faz parte da vida, todo sentimento, toda ação e reação, dor ou alegria. Somente quando este medo se torna extremo é que dificulta o Fluir da Vida.

Nada acontece por acaso, tudo tem sua razão de ser, inclusive o que acontece de negativo na vida. Ou seja, são degraus de evolução, mas para isso, deve-se perceber cada degrau e subir um por vez!
Insistir no erro é tropeçar e perder um degrau e novamente recomeçar. Poupe-se desse trabalho e avance sem medos, sem aparências, prestando atenção no que não funciona em sua vida e colocar em prática o que seria correto pra você.

Gasta-se mais energia com a mentira do que com a Verdade.
Gasta-se mais energia com as aparências do que com a Naturalidade.

Uma pessoa que vive de aparências, seja esta em relação a dinheiro, ou que esnoba os outros por ser quem julga ser, lamentavelmente perdendo a humildade, caminha para o mundo da solidão interna.
Ficando tão impregnada de aparências que por fim, nem mesmo mais se reconhece.

É fato que no mundo de hoje é preciso tomar cuidado e muito, em relação a estranhos, ao confiar nas pessoas certas, a reconhecer no outro a Verdade, mas isto não quer dizer que devemos simplesmente fechar as portas do coração e desconfiar de todas as atitudes e gestos de carinho e gentilezas dos outros.

A vida mecânica, o corre-corre diário nos impede de reconhecer preciosidades em nossas vidas. Vivendo uma vida quase que ‘robótica’, desvalorizamos o que há de melhor em nós: Nossa Essência, reconhecendo a Essência do outro!

Escondemos nosso real valor em máscaras, em aparências, para não dar o braço a torcer para o outro, com medo de uma decepção, frustração!

Temos receio de nos envolver verdadeiramente com alguém!
Temos medo da mágoa, antes mesmo de darmos uma chance de aproximação do outro.
Vivemos enclausurados em redomas de vidro, através das aparências nos escondemos do mundo, das pessoas, de nós mesmos.

É tão mais fácil ser leve! É tão mais fácil deixar fluir! É tão mais simples deixar que alguém se aproxime com o coração e ser recíproco nesse gesto!
É tão mais fácil ser quem realmente é, sem precisar mentir para os outros! Para que inventar alguém inexistente? Viver uma vida sem fundamento, fugindo da realidade de ser quem é , para chegar ao fim da vida e se perguntar: Por quê? Porque agi assim? Porque não fui verdadeiro? Natural? Por que deixei o orgulho tomar conta de mim?

Momentos de reflexão se fazem importantes, pois fazem despertar. Fazem acordar para a verdade, a Verdade de cada um, a sua Verdade...

Pense nisso, antes que seja tarde demais.

Com carinho.
Gênice.
Muito obrigada.

16 comentários:

Anônimo disse...

olá!! adorei esse texto da Gênice sobre aparência. Muito oportuno, como tantos outros.

Essa característica tem permeado as relações humanas com notável freqüência. Viver de aparências me parece muitas vezes um modo de satisfazer necessidades não atendidas a contento. Ou seja, é como uma quase ilusão, algo que projetamos em nós mesmos, para q sejamos vistos pelos outros, para efeito de nos sentirmos satisfeitos de algum modo. É claro, seria muito bom um mundo em que as pessoas não precisassem dessas fantasias e máscaras, seria bom saber e gostar de ser quem nós somos realmente. Muitos até sabem. Mas acho que muitos não gostam de ser quem são. Isso envolve questões econômicas (tão relevantes em nossos dias), questões sociais (idem) e até questões psicológicas. Por causa disso e da poderosa influência que a midia mundial exerce sobre todos nós, temos por resultado uma sociedade cheia de "personagens", não de pessoas, bonecos novelescos construídos com base em valores que apenas para alguns de nós são fúteis. Para essas pessoas, são valores vitais.

Se uma observação fosse feita a fundo em alguem que vive de aparências, de qualquer forma que seja, acredito que sempre encontraremos ali vontades não satisfeitas, que encontram nas aparências uma forma de aliviar a angústia da falta. É algo um tanto anômalo, mas muito comum por aí.

Minha opinião é a de que a base pra esse comportamento é a midia global, são os valores que atribuimos às coisas e é a falta do objeto de desejo. Faz parte das sociedades neuróticas como a nossa.

Joe Gerbase.

Hudson disse...

Sabe, esse texto ficou realmente exelente, muito bom mesmo.
E sabe, eu estou para ativar um grupo jovem aqui no meu bairro e, depois de ler esse texto eu pensei, será que você igaria se eu o utilizasse na primeira reunião?
A propósito, como prometido no e-mail que eu lhe respondi, foi graças aos seus textos que eu resolvi voltar a blogar, então eu te espero lá no meu bloguinho também, certo?

Rosaninha mell disse...

Como sempre: Lindíssimo!

Ser apenas o q se é, ou q podemos ser. Sem máscaras, medos e falsas ilusões. Mergulhar no desejo e voltar a superfície reenergizada...reestruturada ou completamente pirada, mas sempre inteiros.
Beijos de Luz

Palavras_@vesso disse...

Parabéns pelo post!
Tive bastante prazer em lêr cada linha por ti partilhada.
As aparências são como o ditado popular "quem vê caras não vê corações"
bjokas @vesso

Anônimo disse...

ola

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

xau

Anônimo disse...

achei este texto muito mas muito vonito

Anônimo disse...

comoveume

Nanny disse...

Lindo o seu texto maravilhoso,vc ta falando da minha vida nele.

MANOEL MELO CURSINO disse...

APARÊNCIAS SÃO MÁSCARAS PARA DISSIMULAR AS ATITUDES E AÇÕES. AS APARÊNCIAS SERVEM PARA OCULTAR O QUE VAI PELO ÍNTIMO DA PESSOA. AS APARÊNCIAS DISFARÇAM E SE FAZ PASSAR COMO SE FOSSE REALMENTE, ESSE COMPORTAMENTO NÃO MERECE CONFIANÇA POIS DEVEMOS NOS REVELAR COMO SOMOS E NÃO CRIANDO MÁSCARAS PARA CADA SITUAÇÃO FAZENDO COM QUE AS INTENÇÕES NÃO CORRESPONDAM COM A REALIDADE. MELHOR TER O ROSTO LIMPO E CONFIÁVEL. O ANONIMATO É FUGA DA REALIDADE.

VICENTE ROS disse...

TEXTO MARAVILHOSO ..ADOREI PARABENS .

cristiane disse...

oi;amei ...
eu precisava ler exatamente tudo isso.
obrigada.

Carlos disse...

Olá!! gostei do texto, porém acredito que em alguns casos se faz necessário viver de aparência.
Como por exemplo uma pessoa que vive de aparência para não deixar transparecer o homem mau que existe em si, então esta pessoa tem de viver sempre de aparência para não prejudicar o seu próximo.

faby disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
faby disse...

Adorei esse texto.